QUAL É A DIFERENÇA ENTRE FINANCIAMENTO PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO?

Publicado em 23/07/2020 por Coralli

O universo de possibilidades de um financiamento imobiliário é gigante. {mesmo!}

Entre termos e opções (principalmente de bancos e taxas) você pode {quase} enlouquecer. Mas, calma! Estamos aqui para ajudar. Informar e auxiliar.


Quer ver?


No financiamento imobiliário, como em outros créditos a longo prazo, o cliente deve escolher entre as opções de juros pré-fixados ou pós-fixados. Apesar desses termos não serem claros para a maioria dos brasileiros, eles têm um grande impacto nas parcelas de pagamento do contrato.


Em poucas palavras, os termos “pré-fixado” e “pós-fixado” se referem à correção monetária do financiamento. O que isso significa? Significa que há diferentes formas de calcular a taxa de juros que incidem nas prestações do seu financiamento.


• Nos juros pré-fixado, as taxas de juros são definidas previamente no contrato, ou seja, o cliente saberá exatamente a quantia que pagará em cada parcela.

• Nos juros prós-fixado, as taxas de juros variam durante o contrato, de acordo com os índices de inflação (ou seja, não são fixas).


A escolha do financiamento pré-fixado ou pós-fixado depende da situação econômica do país e do perfil do cliente. É aconselhável que o consumidor compare a taxa de juros nominal oferecida em cada opção, bem como analise a taxa de inflação atual.


Por exemplo: em tempos de crise econômica, os índices de inflação aumentam e, consequentemente, os juros pós-fixados também aumentam consideravelmente as parcelas do financiamento. Aqui, os juros pré-fixados seriam a melhor opção.


DOCUMENTOS PARA O FINANCIAMENTO DE IMÓVEL

Agora que você já tem as informações necessárias para escolher entre os juros pré-fixados ou pós-fixados, que tal saber mais sobre a documentação?


Cadastro de financiamento

• RG e CPF originais + cópias. 

• Certidão de casamento ou união estável.

• Comprovante de endereço.

• Comprovante de renda: extrato bancário, imposto de renda, etc.

• Certidão conjunta de negativa de débitos relativos à tributos federais e à Dívida Ativa da União.

• Cópia do CTPS, extrato de cada conta do FGTS e autorização para movimentação de conta vinculada junto ao FGT (para quem financiar com os recursos do FGTS).

• Certidão negativa de propriedade sobre bens imóvel, exigida em financiamentos com o FGTS ou pela Minha Casa, Minha Vida.


ATENÇÃO! 

É INDISPENSÁVEL O COMPROVANTE DE RENDA, SEJA VOCÊ UM TRABALHADOR ASSALARIADO OU INFORMAL.


No caso de trabalhadores assalariados, junte o holerite. Já para trabalhadores autônomos, o imposto de renda, contrato de prestação de serviço ou declaração de sindicado da categoria são formas de comprovar a renda. Por sua vez, os trabalhadores informais podem comprovar a renda de outras formas, conforme a exigência do gerente.


Documentos do imóvel 

• Título de propriedade com o respectivo registro.

• Certidão dominial vintenária.

• Certidão negativa de ônus reais.

• Certidão negativa do IPTU.


Após a pré-aprovação do financiamento, o cliente deverá levar documentos relativos ao imóvel para que a instituição financeira verifique se o imóvel está regularizado e, consequentemente, passível de ser financiado. É de interesse do banco a situação legal do imóvel, uma vez que, no caso de inadimplência do cliente, o banco se apropria do imóvel.


Documentos do vendedor 

• RG e CPF, originais + cópia.

• Certidão de casamento ou união estável.

• Certidão negativa de interdição, tutela e curatela.

• Certidão negativa de ações cíveis e criminais.

• Certidão negativa de ações trabalhistas.

• Certidão negativa de protesto.

• Certidão negativa de execuções fiscais estadual e municipal.

• Certidão negativa de quitação de tributos federais.


A instituição financeira também requer os documentos dos vendedores para prosseguir com o financiamento. O vendedor deve demonstrar que é, de fato, o proprietário do imóvel, bem como que não está pendente com a justiça. Quando vendedores são credores de dívida trabalhista, por exemplo, a justiça pode penhorar o imóvel, ainda que o comprador já tenha adquirido o imóvel.


ATENÇÃO! 

É POSSÍVEL QUE OUTROS DOCUMENTOS SEJAM EXIGIDOS PELA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. SE INFORME COM O GERENTE DO BANCO. ALÉM DISSO, VOCÊ PODE FACILITAR A JUNTADA DOS DOCUMENTOS CONTRATANDO UMA ASSESSORIA OU UM DESPACHANTE.


VANTAGENS DE FINANCIAR UM IMÓVEL 

• O imóvel pode ser utilizado imediatamente.

• Pagamento das prestações a longo prazo.

• Não precisa ter o valor total à vista.

• Possibilidade de utilizar o FGTS como entrada.

• O imóvel pode servir como fonte de renda extra.

• Mais segurança e conforto para sua família.

• Acaba com os gastos com aluguel.


Na foto, o Condomínio das Águas - um empreendimento construído pela Proma Construções, de Jaraguá do Sul.


Você tem alguma dúvida? 

Por favor! Peça a nossa ajuda. Nossos consultores são tecnicamente habilitados para auxiliar na tomada de decisão e ajudar em todo o processo (até a entrega das chaves).


Fonte: Financer


______ 

Leia também:

10 DICAS PARA INVESTIR EM IMÓVEIS. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS. 

O SONHO DA CASA PRÓPRIA CADA VEZ MAIS PERTO: QUAIS DOCUMENTOS PODEM SER USADOS COMO COMPROVANTE DE RENDA? CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.